Rais partam isto

Textos que não interessam a ninguém escritos por um niilista agnóstico(seja lá isso o que for...)


Adolfo Luxúria Canibal

Reza a lenda que numa noite de concerto, no mítico Rock Rendez Vous, o vocalista empunhou uma navalha e perante a estupefacção do público a espetou na perna.
Reza a lenda que o sangue escorria e, no final, quando questionado sobre os motivos de tal acto, terá respondido simplesmente: “estava um ambiente de cortar a faca”.
….
Na segunda-feira à tarde, enquanto regressava a casa vindo de uma reunião nos arredores de Loures, sintonizei o rádio na TSF a tempo de ouvir o “Pessoal e Transmissível” de Carlos Vaz Marques.

Entusiasmei-me quando ouvi o nome do convidado: nada mais, nada menos que o mítico Adolfo Luxúria Canibal, escritor, vocalista dos Mão Morta e proprietário da maior “pedra” portuguesa dos anos 80 – e eventualmente de muitas outras pedras mais pequenas que terão desaparecido na “fumarada”.

Com mais de 200 quilómetros pela frente pensei para mim: “isto vai ser giro”. Afinal, tratava-se do autor de “sucessos” com “Bofia”, “Chabala” e o mais conhecido “Budapeste”.

Fui enganado. Afinal o Luxúria Canibal já morreu e quem esteve por lá foi o seu alter –ego, o Adolfo Macedo, advogado.

O homem que “destilava ódio” já não existe. No seu lugar colocaram um bimbo que se acha um pseudo-intelectual, que se preocupa com a imagem e com o que as pessoas pensem dele e que inventa mil desculpas para aquilo que foi no passado, dizendo que o Luxúria é “apenas um personagem” que ele criou e, de quando em vez, interpreta.

Regressado de Paris por falta de dinheiro e por estar a terminar a sua licença sem vencimento, parece que o Adolfo vem preocupado com a angariação da clientela e pretende cortar com a imagem do passado. Parece que se envergonha de quem foi. Não o disse, mas deixou-o transparecer.

O Adolfo é agora um homem que se acha demasiado bom para a cidade em que vive, um homem enfadonho, tão enfadonho que “destila” velhice na sua pior forma: a de espírito.

Isto devia ser proibido. Algumas pessoas deviam ser proibidas de envelhecer. Qual o fan dos Guns n’ Roses que não ficou chocado ao ver o Axel no Rock in Rio? Quem ainda vê no João Loureiro alguma semelhança com o vocalista dos Ban? Quantos neurónios mais restarão ao Reininho? Onde estão os Sitiados? E a Lassie??? Que é feito da Lassie???

Enfim, caiu-me mal. Ando a canja de arroz desde então.


P.S.: Nunca gostei da música dos Mão Morta – bom, gostei uma vez mas depois tomei um gurosan e passou-me - mas isso é irrelevante para o caso.

10 Comentários inteligentes e algumas alarvidades “Adolfo Luxúria Canibal”

  1. # Blogger Damularussa

    É bom que não dêem facadinhas na perna, mais tarde ficam assim, cinzentos e a coxear dos neurónios.
    Renegar as origens? Tadinho do macaco, se ele sabe disso!


    :-)  

  2. # Blogger Maria

    Eu só oiço o "Pessoal..." às tantas da madrugada. Adoro o programa e o Carlos Vaz Marques(?). O tal convidado parece ser fascinante. Uma faca espetada na perna? Desde que ele não a espete em perna alheia, por mim tudo bem. A perna é dele, a faca é dele, o sangue é dele, and so on ^-^

    um beijo da Maria

    p.s.: já ficaste pedrado alguma vez?  

  3. # Blogger Cris

    O dinheiro fala mais alto... ou neste caso, a falta dele.

    Um beijo  

  4. # Blogger Hélder

    Ó Maria, não sei se te posso responder a isso... é que eu assino com o meu nome :)
    Se quiseres saber mais sobre o Adolfo e os Mão Morta podes ler a biografia em http://www.mao-morta.org/index2.htm  

  5. # Blogger Maria

    Não podes mesmo? (inserir beicinho e olhinhos suplicantes) Eu nunca experimentei mas houve alturas em que me apeteceu escapar da realidade e voar... Felizmente tenho muito juízinho [bem, não muito, mas tenho algum]. Obrigada pelo link, quando não tiver nada para fazer aqui (escritório) vou dar uma espreitadela.

    Um beijo muito grande para ti... mas não podes mesmo responder? (outro beicinho) ^-^  

  6. # Blogger Ouriço-Cacheiro

    Facas e "pedras" à parte (who cares?) é só para dizer que o Adolfo muito possivelmente foi há muito comido pelo Canibal(talvez porque a Luxúria não tenha sido praticada com qualidade).  

  7. # Anonymous Moço da Cidade

    É realmente assustador. Como é que é possivel tamanha negação?
    Já me tinha apercebido, não sei bem há quanto tempo, nem onde, que o Adolfo Luxúria Canibal havia morrido sem direito sequer a qualquer referência na TV. ou num obituário de um pasquim nacional ou, até mesmo, local.
    Porém penso que, com o correr dos anos, deixamos morrer, em todos nós, aquilo que somos para, em seu lugar, nascer um cinzentão.
    Não deixa de ser curioso que do teu blog ressalta que não escapas a essa crua realidade.
    Na verdade, da grande cidade passaste para a pequena cidade e, agora recentemente, para a aldeia. Tudo muito a soar a cinzentão, a negação de um status e modo de vida anterior e, principalmente, adoptas uma posição politicamente correcto.
    Vamos todos para o campo ouvir os passarinhos, e até construir-lhes casinhas (valha-me Deus!!), dar os bons-dias aos vizinhos (e por detrás cortar na cassaca).
    Chega de tanta conversa enfadonha!!
    Viva a cidade!
    Poder inalar todos os dias uma generosa quantidade de dióxido de carbono, não falar aos vizinhos porque não os conheço e ainda assim não gosto deles, tirar hora e meia diária para produzir impropérios da pior espécie a vários cidadãos porque a porcaria do trânsito não anda (e ainda bem porque assim vou chegar mais tarde ao trabalho, que até já chateia, e fazer muito menos, mas a condizer com a porcaria do ordenado). E também, já agora, aquele também serve de desculpa para sair mais cedo. ("Oh chefe, eu até gostava de chegar a casa antes do jantar!! Posso sair mais cedo ??").
    Mas afinal, os senhores quando se fartam da pasmaceira o que é que fazem ?? Vêm até à cidade, pois então !!
    E quanto precisam de qualquer coisa que não brote da terra como é que se safam ?? Vêm à cidade.
    E onde é que se produz tudo, nomeadamente o material informático que permite a existência deste blog ?? Nas industrias da cidade que para existirem mandou-se à vida as árvores, animais e bostas (desculpem !!) dos mesmos, que infestam os vossos amados campos.
    Deixai-vos disso seus cinzentões politicamente correctos e amantes dos passarinhos (sem serem fritos).  

  8. # Anonymous Moço da Cidade

    É realmente assustador. Como é que é possivel tamanha negação?
    Já me tinha apercebido, não sei bem há quanto tempo, nem onde, que o Adolfo Luxúria Canibal havia morrido sem direito sequer a qualquer referência na TV. ou num obituário de um pasquim nacional ou, até mesmo, local.
    Porém penso que, com o correr dos anos, deixamos morrer, em todos nós, aquilo que somos para, em seu lugar, nascer um cinzentão.
    Não deixa de ser curioso que do teu blog ressalta que não escapas a essa crua realidade.
    Na verdade, da grande cidade passaste para a pequena cidade e, agora recentemente, para a aldeia. Tudo muito a soar a cinzentão, a negação de um status e modo de vida anterior e, principalmente, adoptas uma posição politicamente correcto.
    Vamos todos para o campo ouvir os passarinhos, e até construir-lhes casinhas (valha-me Deus!!), dar os bons-dias aos vizinhos (e por detrás cortar na cassaca).
    Chega de tanta conversa enfadonha!!
    Viva a cidade!
    Poder inalar todos os dias uma generosa quantidade de dióxido de carbono, não falar aos vizinhos porque não os conheço e ainda assim não gosto deles, tirar hora e meia diária para produzir impropérios da pior espécie a vários cidadãos porque a porcaria do trânsito não anda (e ainda bem porque assim vou chegar mais tarde ao trabalho, que até já chateia, e fazer muito menos, mas a condizer com a porcaria do ordenado). E também, já agora, aquele também serve de desculpa para sair mais cedo. ("Oh chefe, eu até gostava de chegar a casa antes do jantar!! Posso sair mais cedo ??").
    Mas afinal, os senhores quando se fartam da pasmaceira o que é que fazem ?? Vêm até à cidade, pois então !!
    E quanto precisam de qualquer coisa que não brote da terra como é que se safam ?? Vêm à cidade.
    E onde é que se produz tudo, nomeadamente o material informático que permite a existência deste blog ?? Nas industrias da cidade que para existirem mandou-se à vida as árvores, animais e bostas (desculpem !!) dos mesmos, que infestam os vossos amados campos.
    Deixai-vos disso seus cinzentões politicamente correctos e amantes dos passarinhos (sem serem fritos).  

  9. # Blogger Hélder

    Moço da cidade...
    Já reparaste no contrasenso entre "moço" e cidade?
    Já sei, foi intencional.
    Cinzento, cinzento é estar assim ressabiado. Ainda se me dissesses que eu tava a ficar rosado, assim meio a perder qualidades de macho da coutada... Mas cinzento, porra?
    Parece-me uma má escolha de cores.
    Cria mas é lá o teu blog para a malta avacalhar...  

  10. # Blogger Maria

    Vi o comentário que deixaste no meu blog ^-^ É claro que não podia deixar de responder...

    beijo da Maria/Jennifer Morrison  

Enviar um comentário



© 2006 Rais partam isto |